03/10/2017 11:50:00

DISPUTA
Guarapuava e Ponta Grossa no centro das atenções
Há quem diga que no "frigir dos ovos" possa haver uma desistência consensual em prol de um único nome


(Foto: Reprodução)


O projeto do PPS em ter candidatura própria ao Governo do Paraná está na pauta do cenário político estadual. O partido está na fase final do projeto Pé na Estrada, com encontros em várias regiões do Estado. No último final de semana, Guarapuava e Ponta Grossa sediaram esses eventos. Os dois municípios estão no centro dos debates, já que os respectivos prefeitos Cesar Silvestri Filho e Marcelo Rangel protagonizam a disputa interna para a cabeça da chapa majoritária.

O discurso de ambos está na ponta da língua. O guarapuavano diz que o Paraná e o Brasil buscam alternativas para a política, que comprovem capacidade de realização e transformação. “E nós, do PPS, não vamos nos omitir e deixar de nos apresentar como opção concreta para mudança”. Cesar Filho tem como um dos principais argumentos na defesa do seu nome o que chama de modelo transformador e inovador de gestão em Guarapuava, segundo ele, comprometido com metas e resultados, que foi capaz de resgatar a confiança das pessoas. “Quero levar essa experiência adiante e, por isso, aceito o desafio de colocar meu nome na disputa ao governo do Paraná”, propõe.

O discurso de Marcelo Rangel não é diferente. “Quero levar o sucesso de projetos de Ponta Grossa, como a educação integral e a industrialização, para todo o Estado do Paraná”.

Ele lembra também que o PPS foi o único a reeleger prefeitos de cidades importantes do Estado como Ponta Grossa e Guarapuava, além de ter vencido a eleição em diversas outras cidades.

Bem, os dois nomes estão colocados sobre a mesa para uma decisão que foi adiada de segunda (02) para, possivelmente, em novembro. Enquanto isso, Cesar Filho não perde um encontro do partido, estando muito perto das lideranças que podem influenciar numa decisão. Já Marcelo Rangel não tem ido aos encontros regionais, numa outra estratégia com a sua rede de relacionamentos. Há quem diga que no “frigir dos ovos” possa haver uma desistência consensual em prol de um único nome.

Sobre o Autor

Cristina Esteche é jornalista, publicitária e fundadora da Rede Sul de Notícias.