10/10/2017 11:46:00

ARTIGO
Somos parte da solução, não do problema
Por Valdir Rossoni


(Foto: Reprodução)


O Paraná é hoje um dos poucos Estados do Brasil que, mesmo diante de uma das maiores crises financeiras da história da nação, consegue manter investimentos em infraestrutura e ainda aumentar repasses para os municípios. Hoje, a realidade do País é de catástrofe, infelizmente. Três das quatro maiores economias - Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul - decretaram calamidade financeira. Não conseguiram pagar sequer o décimo terceiro salário do funcionalismo do ano passado, e é bem provável que não façam isso em dezembro próximo. Quando governos não têm recursos sequer para a folha de salários é porque toda a máquina pública já está paralisada. Quebrada, literalmente. E nada pior para ampliar a crise que o corte nos investimentos públicos. Em especial em setores estratégicos e de grande impacto social, como o da construção civil e da infraestrutura, por exemplo. Aqui, não só conseguimos manter como estamos ampliando investimentos e repasses para os municípios.

O Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes) mostra, com base em dados da Secretaria do Tesouro Nacional, que as transferências de receitas do ICMS e do IPVA para as prefeituras do Paraná passaram de R$ 3,84 bilhões para R$ 7,44 bilhões entre 2010 e 2016. O avanço foi de 94%. O equilíbrio das contas públicas tem sido uma tarefa diária e permanente do nosso Governo. Com austeridade, sobram mais recursos para obras e ações em favor da população. Neste ano, as nossas despesas tiveram queda de 2,19%, mas os investimentos cresceram 9,84%. E vamos manter o pé no acelerador. Até setembro, dos R$ 3,9 bilhões previstos para investimentos, somente com recursos do tesouro, foram liberados R$ 2,5 bilhões. Temos mais R$ 1,4 bilhão empenhados. Ou seja, vamos passar pelo “terremoto” com menos avarias e muito em breve o Paraná será destaque nacional por causa do equilíbrio financeiro. Ficará ainda mais evidente para todos que as ações adotadas pelo governador Beto Richa para enfrentar a crise e sanear o Estado foram acertadas. Mesmo sabendo que as medidas seriam usadas por adversário para lhe causar desgaste pessoal e político, teve coragem de enfrentar os problemas. Quem optou por agir de forma demagógica e politiqueira hoje não paga salários para funcionários ativos e aposentados. Aqui, isso não vai acontecer. Somos parte da solução, e não do problema.

(*) Valdir Rossoni é deputado federal licenciado e chefe da Casa Civil do Governo do Paraná
 

COMENTÁRIOS